Marrocos 2016 – o vídeo

Mais informações sobre a viagem e fotografias aqui!

Advertisements

Viagem a Marrocos 2016

Este ano a viagem a Marrocos teve um significado especial. Foi a primeira vez que o nosso bebé saiu da Europa e entrou neste maravilhoso país. Não foi uma decisão fácil. No verão passado, com apenas 5 meses, já tínhamos ido à Croácia de carro, mas desta vez teríamos de sair do conforto europeu, da proximidade de qualquer hospital. Ali, sabíamos que iríamos estar a centenas de kms de um hospital e separados por caminhos de terra. No entanto e tendo em conta o bom conhecimento do país que fomos adquirindo nos últimos anos, decidimos ir à aventura com o nosso bebé de 1 ano e concebemos um percurso fácil com passagens por albergues de modo a dividirmos as noites “selvagens” com os albergues.

Continue reading “Viagem a Marrocos 2016”

Dacia Duster nos Atlas

A primeira vez que fomos a Marrocos com o nosso dusterzito e logo tínhamos de apanhar os Atlas com neve! Ficam aqui algumas imagens da nossa travessia dos Alto-Atlas enquanto ainda estamos em Merzouga.

4k 1-24k 3-2Marrocos 2016

 

Dacia Duster vs …

DSC04807Já fizemos a 3a etapa do Lisboa-Istambul (ver artigo) e desta vez o Dacia esteve em alta. Foi um percurso com muita pedra, principalmente a parte de sábado, e com duas passagens difíceis, nomeadamente a segunda. Dificilmente os participantes se irão esquecer do momento em que o Dacia passou à primeira uma ribeira depois de 4 dos jipes precisarem de guincho para saírem. Basicamente, à saída da ribeira, a única zona com tracção ficava sob o eixo da frente. Só que devido à lama e buracos, uma das rodas ficava parada e a outra não tinha tracção suficiente para impulsionar os jipes. As rodas traseiras ficavam dentro do riacho e menos tracção tinham. Também não havia espaço para dar balanço.

Vendo o vídeo, o último clip, gentilmente cedido pela Silvia, facilmente se percebe o que fez com que o Dacia tenha passado tão facilmente depois de jipes Toyota e Mitsubishi, mesmo com bloqueios atrás, terem alguma dificuldade ou não conseguirem passar. O controlo de tracção obrigou a roda da frente que estava parada a rodar, tendo sido o suficiente para impulsionar o Dacia dali para fora. Claro que com bloqueio à frente o resultado teria sido ainda mais eficaz. É claro que foi uma festa. Nem eu alguma vez imaginava conseguir passar tão facilmente.

Mas…voltando a descer à terra… esta foi uma situação muito particular onde o controlo de tracção e o baixo peso do Duster fizeram toda a diferença, mas não significa que o Dacia seja um jipe ou sequer se equipare a um. Na maioria das situações o Dacia tem mais dificuldades, e tem de se ter cuidados redobrados. É um veiculo capaz de surpreender mas com as devidas precauções.

3ª etapa do Lisboa-Istambul

3ª etapa Lisboa - Istambul

Mais uma etapa, desta vez com uma caravana de 8 jipes, atravessámos a Serra dos Candeeiros e a Serra de Aires, e apesar de um dos objectivos ser a chegada à barragem de Castelo de Bode, ainda não foi desta. O percurso de sábado, sempre pelo cimo da serra por caminhos pedregosos do interior, foi bastante duro e demorado mas com vistas espectaculares sobre os vales da serra. Foi um dia para atravessar a Serra de Aires e Candeeiros. 3ª etapa Lisboa - IstambulO acampamento, num planalto na encosta leste da serra, proporcionou-nos um belo momento de convívio à volta da fogueira, à luz da lua quase cheia.

No segundo dia, mais rolante, fizemos a ligação entre a Serra e a Albufeira de Castelo de Bode, apesar de ainda não termos lá chegado. Ficou na memória o almoço junto ao rio Nabão numas ruínas transformadas em praia fluvial e por algumas passagens complicadas, nomeadamente a última, já ao fim da tarde, onde apenas 4 dos 8 jipes conseguiram passar sem guincho. Notavelmente, o último da caravana, o nosso Dacia Duster, foi um deles.

Mais fotos aqui!

De Alenquer à Serra dos Candeeiros – 2ª etapa do Lisboa/Istambul

Nesta etapa muito húmida, passámos pelas matas da Ota, Serra de Montejunto, e parte da Serra dos Candeeiros. Sem dificuldades de maior e com um acampamento chuvoso ao calor da fogueira do Vitório, como já é costume, e sob o toldo do Zé que nos salvou de um jantar na solidão das tendas, no final, ainda fomos presenteados por uma belíssima paisagem de fim do dia na Serra dos Candeeiros. Não cumprimos o objectivo de atravessar a serra mas fica para a próxima etapa!

 

 

1ª etapa do Lisboa – Istambul

E assim foi. 4 jipes partiram de Lisboa, Terreiro do Paço, e conseguimos chegar a Alenquer. Apesar da proximidade com Lisboa, ainda foi possível percorrer bastantes quilómetros em pista, algumas delas em mau estado, tendo sido necessário passar um riacho a guincho! E nenhum dos jipes se safou… Ainda foi preciso retirar de uma vala, a guincho, um de nós que, inadvertidamente para lá caiu.

Daqui para a frente o planeamento e marcação do percurso irá ser mais fácil e haverá menos estradas a “estragar” o nosso percurso. Próxima etapa Alenquer – Serra dos Candeeiros…

Duster com molas +3cm

Como já referi nos artigos anteriores, um dos problemas do Duster para TT é a pouca altura ao solo, nomeadamente sobre o diferencial da frente. Já há muito que ando a pesquisar kits de suspensão que pudessem melhorar o carro neste sentido, sem prejudicar a estabilidade e a resistência dos componentes. Entre as várias hipóteses existentes no mercado, desde Ironman, H&R, Terranger, S99tech, entre outras, escolhi as molas da Euro4x4parts que, dado os vários testes existentes em revistas e sites, me pareceram as melhores entre qualidade/preço. Além disso, têm também amortecedores específicos para elas quando os de origem se estragarem.

Jpeg

Jpeg

 

 

 

 

 

 

Estas molas, aumentam a altura ao solo em 3cm em relação às originais e permitem usar os amortecedores de origem. No meu Duster, com os pneus 215 70R16, ficou com 25cm de altura mínima ao diferencial da frente e 30cm ao diferencial de trás, aumentando correspondentemente os ângulos frontais, traseiro e ventral. Em estrada o comportamento ficou praticamente inalterado, mas em todo-terreno espero grandes diferenças nas zonas mais complicadas.

Jpeg

Um Duster na Croácia

A primeira experiência em viagem fora de Portugal com o nosso Dacia aconteceu na Croácia em agosto passado. Foram 8500km no total, em campismo, nós e o nosso filhote de 5 meses… uma verdadeira aventura! O nosso objectivo era fazer de tudo um pouco, desde turismo, todo-terreno e montanhismo.

Como seria de esperar, o Duster esteve à altura com um consumo médio de 7,5l/100. Não tivemos nenhum problema e ainda podemos percorrer cerca de 250km de pistas croatas, já marcadas com antecedência no google earth, o que se revelou uma enorme surpresa dado que não sabíamos bem se estariam abertas ou não à circulação. Apesar de carregado, não houve dificuldades, o que demonstra bem as boas capacidades deste veículo para este tipo de viagens.

Aqui ficam algumas imagens do todo-terreno na Croácia:

Mais imagens da viagem aqui: